Conheça os principais tipos de microfones

Ricardo Pizzotti

O princípio de operação é o modo como o microfone capta o som e o converte em sinal elétrico, isto é, o tipo de transdutor que ele utiliza. O transdutor é um dispositivo que transforma a energia de uma forma em outra, neste caso, a energia acústica em energia elétrica. Os tipos mais comuns são o dinâmico e o condensador utilizados em microfones de estúdios de gravação, broadcast, produção de filmes e em palcos para reforço de som ao vivo. Microfones dinâmicos operam segundo o princípio eletromagnético, e microfones condensadores segundo o princípio eletrostático.

Microfone dinâmico
O microfone dinâmico, também chamado microfone duro, possui um diafragma com uma bobina de voz e um ímã que formam um gerador elétrico de ondas de som. As ondas sonoras fazem vibrar o diafragma suportado pela bobina que se encontra em um campo magnético. Como resultado, uma pequena corrente elétrica é gerada e, depois, amplificada.


Possui pouca sensibilidade, é mais barato e robusto, não necessita de alimentação externa e é indicado para locais em que as condições de captação são mais severas, como shows e reportagens. Aceita grandes pressões sonoras sem distorção e tem menor sensibilidade a ruídos de manuseio. É excelente para gravação de vozes em exteriores, eliminando o ruído ambiente. Oferece um nível de saída elevado para conexão direta à maioria das entradas de microfone, com uma excelente relação sinal-ruído. Sua bobina simples e resistente tolera níveis extremos de volume sem causar distorção. 


Um alto-falante funciona de forma contrária à de um microfone, transformando energia elétrica em ondas sonoras. Isso pode ser observado perfeitamente em um microfone dinâmico, que é basicamente um alto-falante ao contrário.

Locução de rádio

Curso de locução de rádio

Microfone de condensador

 

Os microfones que usam o princípio do capacitor variável são conhecidos como microfones capacitivos ou de condensador. Os microfones de condensador têm como base uma montagem com um diafragma e uma placa de metal ou de cerâmica revestida de metal carregados eletricamente, formando um capacitor sensível ao som. Quando o diafragma vibra ao receber um som, o espaço entre ele e a placa também muda, variando a capacitância do captador e produzindo, assim, o sinal elétrico. Esse sinal de saída é muito fraco e sujeito a interferências, por isso é amplificado por um pré-amplificador que pode estar integrado no corpo do microfone ou em um dispositivo separado.

 

A maioria dos microfones de condensador requer alimentação, podendo esta ser de pilha, bateria, fonte de alimentação externa ou proveniente do próprio pré-amplificador ao qual o microfone estiver acoplado (phantom power). Nesse caso, o cabo do microfone, além de levar o sinal captado pelo microfone ao mixer, leva energia do mixer ao pré-amplificador do microfone. 


Os microfones de condensador são mais complexos que os dinâmicos e tendem a ser um pouco mais caros. Além disso, são mais afetados negativamente por condições extremas de temperatura e de umidade. Por outro lado, oferecem maior sensibilidade e som mais suave e natural, especialmente em altas frequências. Seu pré-amplificador permite que eles tenham uma saída mais alta do que a dos dinâmicos. São recomendados para a captação de som de alta qualidade.

 

Outras vantagens são seu peso e tamanho menores do que os dos dinâmicos, o que os tornam a escolha lógica para os microfones de linha (shotgun), microfones de lapela e microfones miniaturas de todos os tipos.

Existem dois tipos principais de microfones de condensador:


Diafragma pequeno (small diaphragm): microfones do tipo small diaphragm possuem diâmetro do diafragma do transdutor menor que uma polegada (2,54 cm). Diafragmas pequenos têm resposta de frequência flat e soam mais naturais. Por isso são populares para gravação de instrumentos. 


Diafragma grande (large diaphragm): microfones do tipo large diaphragm (uma polegada de diâmetro ou mais) usualmente possuem saída de sinal mais alta, menos ruído integrado (o “chiado” que o microfone pode gerar) e melhor resposta a frequências baixas, o que pode resultar em um som com fidelidade mais alta para vocais e instrumentos. São os preferidos pelos engenheiros de estúdios de gravação.

Produção de televisão

2017 - 2020 © Ricardo Pizzotti