Miniguia de produção de vídeo de curtíssima duração

Instituto Claro: www.institutoclaro.org.br

Olhar

 

Você olha o mundo todos os dias. Mas o que você vê? O que tem a dizer sobre o que viu? Como comunicar aos outros o seu olhar? Com o surgimento da tecnologia, todos nós podemos transformar nosso olhar em mensagem audiovisual. Atualmente, temos ao nosso alcance câmeras, computadores, internet, celulares. Não é por acaso que pessoas de todas as idades, de todos os lugares do mundo, de todos os credos e classes estão passando a usar imagens e sons para expressar ideias, mostrar diferentes realidades, compartilhar e divulgar maneiras únicas de ver o mundo.

 

Sua experiência pessoal, sua história de vida, sua comunidade, sua família, algo que você adora, detesta, imagina, algo com que sonha, um questionamento diante da realidade – tudo merece o seu olhar e a sua curiosidade. Tudo pode ser transformado em filme.

 

Mas não basta “olhar” o mundo. Precisamos prestar atenção. Refletir sobre como e por que as coisas acontecem. Esse olhar treinado e curioso não é um dom exclusivo dos grandes cineastas ou dos artistas. Experimente olhar, experimente realizar.

 

O seu olhar pode inspirar a criação de histórias reais ou inventadas, pode disparar o desejo de expressar-se por imagens em movimento. O seu vídeo pode tratar de questões do mundo, de você mesmo, de outra pessoa ou de coisas que nem existem. Experimente. O que você tem a dizer? Como transformar seu olhar em ideias e como traduzi-las por meio de imagens e sons? Vale animação, documentário, ficção, videoclipe, videoarte e qualquer outra linguagem que se possa inventar.

 

Você também pode falar sobre seu próprio mundo. O que você vê nele? O que pensa dele?

 

O que quer contar sobre o que sente? Esse olhar também pode render histórias curiosas, interessantes e únicas. Alegrias e tristezas, conquistas e decepções, sentimentos e pensamentos engraçados, sonhos e fantasias, situações sem pé nem cabeça. Todo seu universo pode se transformar em vídeo.

 

Vale lembrar que não vemos somente com os olhos. Podemos perceber as coisas que acontecem à nossa volta pelo contato com as mãos, por sons, cheiros, sabores que chegam aos nossos sentidos.

 

Nessas descobertas do olhar, até mesmo os documentários, que costumam retratar a realidade, acabam por refletir as interpretações do autor sobre o objeto documentado. Afinal, é o autor que escolhe o que vai documentar e como vai fazer isso. Uma pessoa, um lugar, um período histórico, tudo, qualquer coisa pode servir de inspiração. Essas escolhas definem a sua maneira particular de contar aquela história. Se duas pessoas fizerem dois documentários sobre a mesma rua, veremos que cada uma delas vai explorar elementos diferentes dentro do mesmo universo.

 

É só começar.

 

Olhe o mundo à sua volta. Observe, analise, invente, crie, conte! As boas histórias estão ao alcance dos olhos, no contato das mãos, nas ondas sonoras entrando pelos ouvidos. Basta ficar atento para perceber que cada imagem, cada momento do dia pode trazer histórias a serem contadas por meio de imagens e sons.

 

E esse olhar pode ser compartilhado com pessoas que estão do outro lado do mundo, com diferentes ideias e modos de pensar. E vice-versa: o mesmo vale para você, que também pode conhecer o olhar de outras pessoas por meio de um simples clique.

 

 

Pensar

 

Já descobrimos a importância de olhar o que acontece ao nosso redor. Já percebemos que praticamente qualquer situação pode ser transformada em ideia para um vídeo. Quer ele seja uma experimentação, quer seja uma animação, um documentário, uma ficção ou um ensaio artístico.

 

Mas são vários os detalhes que precisam ser pensados e repensados. Isso fará toda a diferença no final. Que mensagem queremos passar ao transformar uma ideia em filme? Qual será o texto? Tem narrador ou não? Onde o filme acontece? O que acontece no filme? Quais são os personagens?

 

Que linguagem utilizaremos para transmitir a história? Onde a câmera vai estar naquela cena? Como será a luz do filme? Com quais técnicas vamos trabalhar?

 

Lembre-se de que não é preciso ter equipamento de última geração. Hoje, é possível fazer filmes até com uma sequência de fotos escaneadas.

 

Não quer pensar em nada disso? Tudo bem, o importante é experimentar. A livre experimentação vai lhe ensinar um monte de coisas. Mas um pouco de reflexão e planejamento ajudam bastante.

 

Uma boa maneira de planejar é ir anotando todas as suas ideias, situações interessantes, possibilidades, dúvidas, soluções encontradas, uma lista com o contato de amigos que podem ajudar, lugares para filmar. Manter um caderno só para isso vai garantir que nenhuma ideia genial se perca durante o planejamento.

 

Outra boa dica é assistir a filmes de vários gêneros ou de um gênero de que você goste especialmente. Divirta-se, mas preste atenção aos detalhes e anote o que percebeu como diferencial. Pode ser a luz, a trilha sonora, os personagens, as cores da cena, o enquadramento da câmera. Pode ser a forma como os atores estão posicionados. Eles aparecem de corpo inteiro? Ou há apenas o rosto, um detalhe do corpo? O que cada cena pretende transmitir? Como a imagem ajuda a passar a ideia do filme, o sentimento de um personagem? Os cenários são cheios de objetos ou têm poucas coisas? Enfim, tente pensar por que cada coisa aparece daquela maneira. Qual era a intenção de quem estava fazendo o filme quando escolheu aquele lugar ou aquela música?

 

Esse é um jeito interessante de perceber como cada diretor tem características completamente diferentes de outro. Isso pode ser útil ao planejamento do seu vídeo e vai ajudar a organizar seu projeto.

 

Pensar e planejar antes de começar a gravação ajuda muito, pois, além de enriquecer a ideia original, vai permitir que a produção aconteça de forma natural, evitando imprevistos. É claro que imprevistos e improvisos fazem parte de qualquer trabalho, mas, com um pouco de planejamento, muitos problemas podem ser antecipados ou evitados. Tudo flui muito melhor quando a ideia do filme está madura, pensada, e a produção, devidamente planejada.

 

Imagine parar a cada momento para resolver algo que não foi pensado com antecedência? O filme fala sobre um garoto que vai jogar futebol com os amigos. Muito legal, mas cadê a bola? Ninguém trouxe? Achou uma bola? Ótimo. Começa a filmagem, mas na segunda cena acaba a bateria da câmera ou do celular. Levou o carregador? Não? Então, tudo tem que parar e só recomeça horas depois.

 

Fazer

 

Para desenvolver um projeto audiovisual, seja de 90 segundos, seja de 90 minutos de duração, é necessário ter um planejamento claro do que se quer produzir. Hora de colocar o projeto em prática. Vamos “fazer” o vídeo.

 

O fazer audiovisual aqui apresentado vai explorar dicas úteis à produção de filmes de 30 a 90 segundos. Vamos abordar as principais etapas para a execução de projeto audiovisual de curtíssima duração: produção de roteiro, definição de equipamentos e equipe, captação de imagens e sons, edição e montagem do material captado e assim por diante.

 

É claro que você pode inverter todas as etapas e criar algo incrível, mas reunimos aqui uma série de informações que podem ajudar você a realizar a ideia do seu vídeo com qualidade e sentido. Afinal, você quer que esse curta transmita o seu olhar de maneira clara e precisa para alcançar os seus objetivos. Seja radicalizar, ensinar, documentar, celebrar, questionar, divertir, conscientizar, protestar ou emocionar.

 

As principais etapas que elencamos para a realização de obras audiovisuais para mídias móveis são:

 

Definição do projeto

 

O que você deseja filmar? Qual a ideia a ser realizada? Será uma filmagem falada ou muda? Terá atores ou apenas cenários? A ação acontecerá durante o dia ou à noite? Na cidade ou no campo? No mar ou em terra? Em casa ou na rua?

 

Essas perguntas demonstram quantas informações são necessárias para formular uma ideia que, futuramente, será levada adiante na produção do seu vídeo. Ter em mente o que deseja transmitir com clareza torna o processo mais simples e efetivo.

 

Uma boa maneira de evitar os imprevistos é ter sempre um “plano B” guardado na manga.

 

O seu amigo ator adoeceu? Tenha o telefone de outra pessoa que possa substituí-lo. Sua tia não pode mais emprestar a casa que serviria como cenário? Que tal já ter acertado antes a casa da vizinha como segunda opção?

 

Quando começamos a planejar, achamos difícil pensar em todos esses detalhes. Mas, com a prática, o planejamento vai ficando cada vez mais fácil. Pense antes em cada cena do seu vídeo. Cheque os detalhes.

 

Cada novo projeto traz mais experiência e é assim que vamos aprendendo e até aprimorando nossas técnicas.

 

Não há limite para a imaginação e nada é mais gratificante do que ver uma ideia ganhar forma. Agora, pode ser sua vez de embarcar nesse instigante desafio. Desenvolva seu projeto, planeje a produção do seu vídeo e siga em frente.

 

Assista ao vídeo “Arroba” (abaixo), vencedor do júri popular do Festival Nacional de Curtíssima Metragem – Claro Curtas 2ª Edição, e veja algumas das coisas que podem ter sido planejadas e anotadas antes do início das filmagens.

Team or Cameraman with camera and woman

Aprenda tudo sobre operação de câmeras de vídeo

clique aqui

aprudução de TV

Pense como se o diretor fosse você.

 

Ideia principal: Um rapaz está concentrado no seu trabalho, usando diversos aparelhos tecnológicos quando um elemento do seu entorno o surpreende e, a partir disso, descobrimos que a tecnologia está em toda parte.

 

Elementos importantes para a filmagem: Quais elementos podem ser usados para construir a personalidade do rapaz? Postura, sotaque? Quais acessórios devem estar disponíveis? Computador, scanner, fone de ouvido... Os cenários principais são o escritório e o ambiente externo, quais recursos de iluminação e de movimentos de câmera irão contribuir para transmitir ao espectador o contraste entre os dois espaços?

 

Qual o elemento surpresa que desencadeia a narrativa?

Tente sempre se colocar no lugar do espectador, aquele que recebe a informação em imagens e sons. Analise com certa dose de autocrítica se a mensagem está sendo passada ao espectador de maneira satisfatória. Nem sempre conseguimos isso de primeira. As pessoas vão conseguir entender o que você quer dizer ou mostrar com o seu vídeo? Se ficar em dúvida, faça um teste, apresentando suas ideias a algumas pessoas próximas e cheque se elas entenderam de fato a sua proposta. Elas entenderam? Então, siga em frente! Não entenderam? Trabalhe mais um pouco para tornar as ideias mais claras.

 

Organizando a produção

 

Quem vai participar da produção? Você e um amigo? Você e sua turma? Você e sua família? Alguns colegas de trabalho? Não se esqueça de montar sua equipe destacando talentos ao seu redor. A amiga que faz maquiagem bacana, o irmão que toca guitarra, a sobrinha que faz cenários, o primo que entende tudo de celular, o vizinho ator. Organize a agenda de filmagem e veja quando e como cada um deles precisará colaborar. Com o planejamento e a agenda de filmagem em mãos, vai ficar muito mais fácil coordenar os talentos disponíveis.

 

Como pretende fazer o filme? Você pode utilizar filmadoras, câmeras fotográficas, celulares, fotos escaneadas digitalizadas e editadas a partir de uma trilha sonora. Se for uma animação, que tal definir a técnica a ser explorada? Pode ser animação tradicional, digital, ou qualquer outra na qual você tenha habilidades.

 

Com essas informações reunidas, o próximo passo é partir para a produção do roteiro.

Apresenda produção de televisão

2017 - 2020 © Ricardo Pizzotti