Miniguia de produção de vídeo de curtíssima duração (3)

Instituto Claro: www.institutoclaro.org.br

Agora que você concluiu as filmagens, chegou a hora de editar todo o material.

 

Você precisará de um equipamento. Os computadores pessoais atualmente podem funcionar como verdadeiras ilhas de edição. Para editar seu filme, será necessário um software de edição. Na internet, existem vários desses programas para download gratuito. E, hoje, até os modelos mais modernos de celular vêm com programa de edição de vídeo.

 

A edição é a hora de definir o que serve e o que não serve para o seu vídeo. Essa fase é conhecida também como “processo do desapego”, pois nem sempre é fácil jogar fora aquela cena que deu tanto trabalho para gravar, mas que só está empacando o ritmo da edição. Toda edição passa pelas mesmas etapas:

 

1. Entrada do material (vídeo, trilha, locução, fotos, desenhos escaneados) no programa de edição;

 

2. Edição do material;

 

3. Finalização (inserção de efeitos, legendas, correção de cor);

 

4. Produção de cópias para distribuição (dvd, sites, e-mail).

 

Aqui, você poderá selecionar as cenas, inserir novos cortes, sincronizar o áudio com as imagens e muito mais.

 

Você poderá experimentar novas formas de contar a história, trocar cenas de lugar, inserir elementos gráficos, efeitos, letreiros e legendas. Explore livremente sua criatividade.

 

 

Veja algumas dicas que ajudarão no processo de edição:

 

  • O processo de edição de áudio e vídeo começa pela esco-lha do programa. Existem, na internet, inúmeras opções de software gratuito para edição. Muitos deles estão disponíveis para todas as plataformas: Windows, Macintosh e Linux.

 

Montando um quebra-cabeça

 

Editar é como montar um quebra-cabeça. A imagem pronta mostrada na caixa é o roteiro, as cenas são as peças. Só que na edição você não precisa montar a mesma imagem da caixa, dá pra inverter peças, descartar outras e, no final, conseguir uma figura mais interessante do que a prevista.

 

No processo de materializar uma ideia, existem perdas e ganhos, coisas que foram planejadas talvez não funcionem e surpresas podem acontecer (e geralmente acontecem), levando sua concepção para uma rota diferente.

 

  • Antes de iniciar a edição, é necessário passar as imagens, o áudio, a trilha e tudo o mais para dentro do computador. Escolha nomes para cada um dos trechos captados. Isso ajudará bastante no controle dos materiais que você está editando, além de garantir fácil acesso a cada uma das cenas gravadas.

 

  • Uma boa maneira de editar seu filme é criar inicialmente uma linha do tempo. Primeiro acontece isso, depois acontece aquilo. Isso permitirá que você visualize o filme quadro a quadro.

 

  • Lembre-se de que você pode ter mais de uma filmagem da mesma cena. Escolha a que lhe agradar mais.

 

  • Se tiver captado o áudio separado, garanta que as imagens e os sons de cada cena estejam sincronizados.

 

  • Depois de montar a linha do tempo do filme, pode quebrar essa linearidade de acordo com sua criatividade, ou seja, você pode resolver trocar tudo de lugar. Começar pelo fim da trama, inverter a ordem das cenas e “brincar” livremente com a sequência da narrativa. É um grande jogo de recorta e cola até chegar a uma linguagem audiovisual dinâmica e interessante.

 

  • Se tiver captado o áudio separado, garanta que as imagens e os sons de cada cena estejam sincronizados.

 

  • Depois de montar a linha do tempo do filme, pode quebrar essa linearidade de acordo com sua criatividade, ou seja, você pode resolver trocar tudo de lugar. Começar pelo fim da trama, inverter a ordem das cenas e “brincar” livremente com a sequência da narrativa. É um grande jogo de recorta e cola até chegar a uma linguagem audiovisual dinâmica e interessante.

 

Quando você estiver com a sequência definida, é hora de prestar atenção a outros detalhes técnicos:

 

  • Cada cena pode ter sido feita em um lugar diferente, portanto, talvez haja grandes diferenças de iluminação de uma cena para a outra. Verifique em seu programa de edição onde poderá encontrar os comandos para ajustar o brilho, o contraste, a nitidez e o balanço das cores de uma cena para a outra.

 

  • Também é possível haver diferenças em relação ao áudio. Analise os recursos disponíveis no seu software e ajuste o volume dos diálogos, equilibre os timbres mais altos; elimine ruídos indesejáveis.

 

  • Você também pode colocar efeitos especiais no seu filme. Há programas criados só para isso. Atenção: os efeitos podem dar um charme a mais para a sua produção, mas verifique onde e se eles realmente são necessários. Evite excessos no uso desse recurso.

 

  • Um recurso bastante utilizado na época do cinema mudo é a inserção de letreiros. Isso também pode ser utilizado na edição do seu filme. Os letreiros costumam dar ênfase a uma ação ou permitem que as pessoas acompanhem melhor a história.

 

  • Além dos letreiros, também é possível inserir legendas. Elas são úteis para ajudar o espectador a entender trechos de diálogos falados em outro idioma ou para corrigir problemas de áudio que você não conseguiu resolver. As legendas são úteis para resolver a compreensão de gírias e regionalismos. Dessa maneira, seu filme poderá ser visto e compreendido por pessoas de todas as regiões do Brasil e até de outros países.

 

  • Tenha o cuidado de inserir tanto os letreiros como as legendas com clareza. Utilize o tamanho adequado de letras, cores que não incomodem a visão e facilitem a leitura. Lembre-se de que as legendas não precisam ser a transcrição literal das falas, pois isso exigiria espaço muito maior da tela. O ideal são duas linhas de legenda na tela. Tenha cuidado com a sincronia entre o texto da legenda e a cena.

 

  • Uma boa solução para problemas de áudio é a dublagem. Você pode filmar todo o vídeo e depois inserir o áudio com as dublagens – tanto usando os próprios atores quanto colocando a voz daquele seu amigo locutor, falando pelo ator. Aqui também vale ficar muito atento à sincronia entre a imagem e o som.

 

  • Uma parte importante na edição de áudio é a trilha sonora. Qual a música do seu filme? Você poderá incluir músicas, desde que autorizadas pelos seus autores e intérpretes. Há ainda músicas que já estão em domínio público, ou seja, podem ser utilizadas livremente. Pesquise, invente ou peça a um amigo músico para compor uma trilha sonora para o seu filme. Afinal, uma cena de beijo fica muito mais emocionante com música romântica ao fundo.

 

  • Na internet, também há opções gratuitas de sons para efeitos sonoros, como batida de palmas, ruídos de trânsito, sons de animais... E que tal você mesmo produzir efeitos sonoros? Experimente gravar sons de gritos, pratos caindo, água correndo e o que mais inventar para compor efeitos sonoros exclusivos para o seu filme. Vale tentar.

 

  • Não inclua no seu filme trechos de músicas, marcas de empresas ou cenas de outros filmes sem autorização de seus proprietários. Respeite sempre os direitos autorais. Procure fazer a trilha sonora com músicas de grupos de amigos e conhecidos, pois será muito mais fácil conseguir a liberação de alguém próximo. Isso mesmo: não esqueça de fazer todo mundo assinar as autorizações, até mesmo os amigos do peito.

 

  • Na internet, existem acervos disponíveis gratuitamente, como, por exemplo, a licença Creative Commons, que permite o uso de materiais produzidos por vários artistas – desde que se respeite o tipo de licença apresentada. Existem vários sites com imagens e músicas de autores que as deixaram disponíveis para livre utilização.

 

  • No final da edição, é necessário aplicar os créditos do vídeo. Assim, você agradece às pessoas que contribuíram com a produção. Liste os nomes de todas as pessoas e suas funções, além do crédito de músicas, compositores, músicos, cantores.

 

  • Estas dicas e orientações são apenas o começo. Você pode pesquisar na internet mais informações sobre edição. Se quiser, procure livros sobre o assunto. Conversar com amigos e conhecidos e trocar conhecimentos é divertido. Assistir a muitos filmes com o olhar de quem quer descobrir como eles foram feitos também ajudará bastante

Trabalho em televisão

INSTITUTO CLARO

PRESIDENTE

Rodolpho Tourinho Neto

VICE-PRESIDENTE

Carime Kanbour

EQUIPE

Aline Yukari Tozaki, Fernando Viana Felix, Maria Tereza Sita, Valerya Borges

AGRADECIMENTOS

ao Comitê Claro Curtas, Patrícia Andrade, Zezé Pina, Vanessa Gabriel e Maristela Santos da Silva Netto.

2017 - 2020 © Ricardo Pizzotti