Miniguia de produção de vídeo de curtíssima duração (2)

Instituto Claro: www.institutoclaro.org.br

Roteiro

 

Elaborando o roteiro

O roteiro pode ser adaptado de um livro ou de uma peça de teatro. Pode surgir de um poema ou de um conto que emocionou você. Pense em quantas adaptações cinematográficas de Hamlet e de Romeu e Julieta, de William Shakespeare, já foram produzidas. Nesse caso, dizemos que o roteiro é adaptado ou inspirado numa obra anterior. Se o filme parte de uma ideia inteiramente nova, dizemos que se trata de roteiro original.

 

Quer pular o roteiro e sair filmando? Fique à vontade. Você verá que, mesmo sem formalizar o roteiro, ele está presente de alguma maneira na sua cabeça e irá se compondo a cada cena que você filmar.

 

A seguir, apresentamos alguns elementos importantes, que podem ajudar na composição do roteiro:

 

  • Ele deve conter o enredo da trama. Esse enredo nada mais é do que a história do filme descrita em elementos de imagem e som. Ele traz a descrição das cenas e deve ser bem detalhado para que todos os envolvidos na produção (atores, fotógrafo, cenógrafo, figurinista, sonoplasta, iluminador, maquiador) possam ter o máximo de informações para compor a história. Você pode até colocar a cor da blusa que o personagem deverá usar. Quantidade de informação significa qualidade no roteiro. E, se você vai exercer todas as funções da produção do seu filme, melhor ainda, pois isso vai ajudá-lo a lembrar todos os detalhes.

  • No roteiro, é preciso escrever os diálogos dos personagens – se o filme tiver diálogos, é claro! Você também pode descrever como o personagem está se sentindo naquele momento. Feliz, triste, preocupado, apreensivo, apaixonado.

  • O roteiro traz a descrição dos lugares onde se passarão as cenas da trama e também a hora e as condições climáticas. Pode ser uma praia no final de tarde, com o céu alaranjado, num dia fresco, ou uma avenida da metrópole numa sexta-feira chuvosa de trânsito intenso.

  • Você pode definir os enquadramentos, ou seja, o formato das cenas. É um plano fechado (close) ou um plano geral? A câmera vai estar na altura dos olhos do personagem ou próxima ao chão? E se estivesse bem alta, fazendo a tomada de cima? O diálogo da cena deve mostrar um personagem de costas para a câmera e o outro de perfil ao fundo? Escreva isso no roteiro. Quando e como pretende cortar a cena? Uma boa dica para quem sabe desenhar um pouquinho é fazer os desenhos dos enquadramentos da cena. Isso se chama storyboard e dá uma boa noção de como trabalhar os quadros que compõem o filme.

  • No roteiro, também é útil colocar os equipamentos necessários para uma cena. Por exemplo, uma tomada ao ar livre pode exigir um gravador extra para captar melhor os sons externos. Como vai ser a iluminação? O que deverá estar iluminado? Um objeto? O personagem? Se a cena acontece numa sala fechada e escura, é importante especificar que serão necessários mais pontos de luz.

 

Seleção de equipamentos

 

A escolha da linguagem, o conjunto de planos, ângulos, movimentos de câmera e recursos de montagem que compõem o universo de seu filme – tudo isso vai definir o equipamento necessário para a filmagem ou para a composição da animação (se for o caso). Mas você também pode definir a linguagem a partir do equipamento que já tiver em mãos.

 

O melhor das novas tecnologias é você poder experimentá-las livremente para produzir conteúdos e expressar ideias. Até mesmo as limitações do seu equipamento podem ser transformadas em arte e em linguagem audiovisual.

 

Arrisque-se e inove

 

  • Você pode optar por filmar com o seu celular. Neste caso, as filmagens deverão se concentrar em cenas próximas, ou seja, usar quadros mais fechados, explorar closes, para permitir melhor captação e definição dos sons e das imagens. Isso vai garantir que o espectador perceba melhor o que acontece na cena e consiga identificar os personagens e os elementos. Lembre-se de que seu filme pode ser visto na telinha do celular e esse detalhe faz toda a diferença na percepção do filme.

  • Caso a opção seja por uma câmera fotográfica ou uma filmadora comum, os quadros tomados de maior distância ficam mais definidos, pois a qualidade da lente é melhor. É fundamental, sempre que possível, realizar alguns testes antes de filmar “pra valer”. Assim, você poderá checar o alcance do áudio e do zoom do seu equipamento.

 

 

Processo de filmagem

 

Definidos o roteiro e o equipamento, chega a hora de iniciar as filmagens, botar a mão na massa. Luz, câmera, ação!

 

Mas, antes de começar a filmar, confira as dicas:

 

  • Procure seguir o roteiro que você escreveu, mas aproveite as filmagens para captar imagens adicionais e filmar a mesma cena de ângulos diferentes. De frente, de baixo, de costas, de perfil. Na hora de editar o material filmado, isso fará toda a diferença, pois você terá alternativas e garantia de qualidade e quantidade de cenas.

 

  • Caso o filme tenha muitos diálogos, um modo de evitar que os atores, profissionais ou não, errem suas falas, é escrevê-las e colocá-las em locais próximos para serem lidas. As frases podem ficar em cima da mesa, em uma cartolina diante da câmera, no chão, na parede. Apenas tome cuidado para não deixar que o truque apareça na cena filmada.

 

  • Filme sempre em locais que disponham de boa iluminação. Caso as filmagens aconteçam em ambientes fechados, você pode melhorar a iluminação utilizando luminárias comuns. Peça para alguém segurar a luminária, focalizando a cena.

 

  • Uma boa maneira de melhorar a iluminação é encapar uma placa de isopor com papel alumínio para refletir a luz. Assim, você poderá direcionar a luz disponível para onde quiser e garantir uniformidade de iluminação na cena. Isso impede que a cena fique com muitas sombras e que algumas partes da imagem fiquem escuras.

 

  • Caso você decida filmar ao ar livre, procure realizar as filmagens durante o dia para aproveitar a luz do sol. Se a história acontece à noite, você pode filmar de dia e escurecer as cenas na hora de editar o filme. Mas, se quiser mesmo que a filmagem aconteça à noite, faça alguns testes para evitar surpresas desagradáveis na hora da edição do material filmado.

 

  • Tente não filmar de frente para o sol, pois você perderá a nitidez da imagem das pessoas ou do local que está filmando. Você verá que seus personagens vão parecer sombras. Esse é o efeito da contraluz. Por isso, use a luz do sol a seu favor, ou seja, para iluminar a cena. Além de dar um ar natural ao seu filme, ela é gratuita e eficiente. A menos que você queira usar a contraluz como efeito artístico.

 

  • Filmar num dia nublado é uma boa pedida. Sem sol direto, há menos incidência de sombras e as imagens ficam mais definidas e uniformes.

 

  • Se optar por utilizar movimentos de câmera, como zooms e panoramas, preste atenção à velocidade e à estabilidade da câmera. Movimentos bruscos podem causar vertigens no espectador. A menos que seja essa a sua intenção. Caso contrário, mantenha o foco na cena e, quando forem necessárias aproximações e outras tomadas de câmera, realize-as de maneira lenta e contínua. Outra dica é evitar trocar o ângulo da cena muitas vezes em curto período de tempo, pois isso também pode estressar o seu espectador.

 

Em um roteiro para vídeos com duração de 30 a 90 segundos, é preciso exercitar a objetividade. Torna-se fundamental que o roteiro esteja bem detalhado para que o realizador tenha domínio do tempo e não extrapole a duração prevista. Um roteiro não precisa necessariamente de começo, meio e fim nessa ordem rígida. Se você quiser, pode começar seu vídeo pelo final, retornar ao começo da trama e concluir a história no meio da narrativa. Experimente e liberte a sua criatividade. Vá em frente. O que importa é que o seu roteiro tenha lógica e possa contar a sua história para o espectador.

 

Roteiro mínimo

O roteiro de um vídeo de 30 a 90 segundos deve conter:

 

Início – parte 1

Apresentação dos personagens, do local ou do que você está pretendendo produzir.

 

Ponto de virada – parte 2

Aqui é onde a história muda radicalmente. O príncipe transforma-se em sapo, a mocinha é largada pelo namorado, o cachorro foge, o carro quebra, ou seja, o “mundo” do filme vira de cabeça para baixo.

 

Final – parte 3

O encerramento do enredo da história. O final pode ser feliz, triste, enigmático, engraçado, enfim, o que der na cabeça.

 

Quanto mais detalhado o roteiro, mais segurança e desenvoltura você terá durante a filmagem. Mas lembre-se: um toque de improviso não faz mal a ninguém e pode fazer toda a diferença no resultado final.

 

Autorização de uso

 

Um ponto muito importante é o das autorizações de uso de imagem e música. As pessoas que aparecerem no filme, como atores principais e figurantes, devem assinar a autorização de uso de imagem e voz. As músicas que você vai utilizar na trilha sonora do vídeo devem ser liberadas com os detentores dos direitos autorais e fonográficos. A outra opção é usar músicas originais, de acervos livres ou disponíveis sob licença de Creative Commons. Deixe claro onde você pretende exibir o filme. Com tudo previamente combinado, não haverá problemas no futuro.

 

  • Se você possui equipamentos mais complexos, pode optar por closes bem definidos ou movimentos mais elaborados, além de poder contar com mais qualidade de captação de áudio.

 

  • Você também pode recorrer a outros equipamentos e dispositivos visuais e sonoros. Os scanners, por exemplo, permitem digitalizar fotos, desenhos e até objetos. Com esse material em mãos, você pode fazer montagens quadro a quadro. O importante é aproveitar com criatividade toda a tecnologia que está ao seu redor.

 

  • Nas filmagens externas, como ruas, parques, estádios, você pode utilizar um gravador digital de voz como apoio na captação de som. Assim, caso o áudio fique prejudicado por barulhos e ruídos, o gravador pode servir para fazer uma dublagem que substitua o áudio original. O gravador ajuda também na captação de sons úteis ao filme. Passarinhos cantando, crianças rindo, panelas caindo, carros passando...

 

  • Fique atento ao áudio do seu vídeo. Os celulares e câmeras fotográficas têm limitações técnicas na gravação do som. Nesses casos, o uso de gravador externo pode resolver o problema e garantir a qualidade do áudio. Lembre-se de prestar atenção aos microfones utilizados, preferindo os direcionais sempre que possível. Se quiser captar o som de todo o ambiente, você poderá utilizar microfones comuns.

 

  • Procure variar os ângulos de visão. Se isso for feito de maneira lenta e não repetitiva, irá melhorar a noção que os espectadores têm do cenário em que ocorre a história. Também irá aumentar a identificação do espectador com o universo dos personagens e ajudar a manter o ritmo do seu filme, tornando-o mais dinâmico e interessante.

 

  • Se você for gravar cenas em movimento, tente fazer movimentos leves, suaves e direcionados. A não ser que você queira explorar intencionalmente a câmera tremida.

 

  • Cuidado com ruídos no momento da filmagem. Ônibus passando, carros buzinando, cachorros latindo, televisão ligada ou mesmo a vizinha gritando com os filhos podem atrapalhar seriamente a captação do som. Isso fica mais grave quando a filmagem envolve diálogos entre personagens.

 

  • Se possível, consiga um microfone emprestado. Os microfones embutidos de celulares e câmeras digitais têm suas limitações. Com um microfone externo, as chances de gravar com perfeição e nitidez os sons que deseja são bem melhores. Caso opte por utilizar um microfone suspenso, tenha o cuidado de deixá-lo fora do quadro.

 

  • Existem lojas e brechós que alugam equipamentos, roupas, objetos – esse é um bom recurso para quem precisa de algum equipamento extra ou deseja conseguir aquele chapéu dos anos 1940, indispensável para a história.

 

  • Evite posicionar o microfone de frente para o vento. O barulho causado pode atrapalhar a captação do som, deixando ruídos indesejáveis. Uma boa dica para reduzir esse barulho é cobrir o microfone com um pouco de espuma.

 

  • Para não deixar as imagens tremidas, tente usar, sempre que necessário, um tripé. Isso evitará que movimentos não planejados estraguem a sua filmagem. Não tem tripé? Use uma vassoura para servir como apoio. Isso dará estabilidade às imagens captadas.

 

  • Tome cuidado com as roupas escolhidas para as filmagens. Uma roupa branca, se o fundo for branco, pode prejudicar a qualidade das imagens, pois perde-se o contraste. Procure filmar os personagens com roupas de cores diferentes de paredes, muros e fundos. O mesmo vale para os objetos usados em cena.

 

  • Não se esqueça de chamar aquela amiga que faz maquiagens incríveis. Ela pode ajudar a disfarçar nos atores pequenas incorreções, como olheiras, manchas na pele e espinhas. Seu filme vai ficar bem mais bonito.

Manual do cinegrafista

Aprenda tudo sobre operação de câmeras de vídeo

QUERO APRENDER

Vídeo finalista, na Categoria Universitários, da 3ª Edição do Claro Curtas Festival Nacional de Curtíssima Metragem.

Aprenda produção de televisão

2017 - 2020 © Ricardo Pizzotti