Cabos, conectores e adaptadores de áudio

Ricardo Pizzotti

Cabos

 

Cabos, também chamados fios, são condutores elétricos responsáveis pela transmissão de energia. Eles conduzem sinais gerados de um equipamento para outro. Esses sinais, como os de energia elétrica, são medidos em volts e watts, mas possuem voltagem muito baixa. 

 

Para que a eletricidade flua, deve haver diferença de cargas entre dois pontos. Por essa razão, um cabo de áudio é constituído por no mínimo dois condutores, um positivo (ou fase) e um negativo (ou neutro). Em algumas aplicações, são necessários cabos com três condutores, sendo o terceiro utilizado para malha (ou terra). No cabo mono, além do condutor, a malha também conduz o sinal de áudio. 

 

Os materiais utilizados na fabricação dos condutores e blindagens dos cabos de sinal são: o cobre nu ou estanhado, o dielétrico em polietileno e a blindagem adicional de carbono condutivo ou fita de alumínio. A escolha para cada utilização deve ser feita tendo em vista as diferentes características, tais como seção do cabo, isolamento elétrico (borracha ou PVC), temperatura ambiente, resistência a ações mecânicas, resistência à corrosão, blindagem elétrica e flexibilidade.

 

Características comuns dos cabos

 

Apesar de existirem diferentes tipos de cabos, eles têm algumas características em comum:

 

       • Blindagem: é uma malha externa que reveste o fio condutor ou condutores e fica eletricamente isolada destes. Ela é necessária para evitar a interferência de sinais de RF de rádio, de TV ou de motores elétricos próximos que podem se misturar ao sinal de áudio e causar ruído ou distorção. A blindagem absorve o sinal de ruído e o transporta para o terminal de terra dos equipamentos. A blindagem de um cabo pode ser dos tipod espiralada ou par trançado. Neste último, utilizado em multicabos, cada uma de suas vias possui dois condutores e uma malha, em que, a cada pequeno espaço, ocorre uma trança entre os condutores. A finalidade do par trançado é captar menor nível de ruídos.

Locução de rádio

Curso de locução de rádio

         • Bitola: cabos com bitolas mais grossas são mais duráveis porque oferecem maior flexibilidade e menor resistência à passagem do sinal. Em sonorização, os condutores utilizados são sempre flexíveis, pois precisam ser enrolados e desenrolados. Fios rígidos podem ser utilizados somente em tubulações e em conexões fixas, como canaletas ou eletrodutos. No Brasil, as normas que indicam a bitola de condutores são determinadas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que realiza a medição dos cabos em milímetros quadrados (mm2), por exemplo, 0,30 mm2, 1,5 mm2, 4 mm2, etc. Quanto maior a medida, mais grosso o condutor.

      A bitola de um cabo está diretamente relacionada à resistência que o sinal elétrico (elétrons) sofre ao passar por um condutor, fazendo com que parte do sinal elétrico se perca em forma de calor. Quanto mais grosso o fio (sendo, portanto, maior a bitola), menos resistência haverá.

 

       • Capa: um cabo é protegido por um isolante, a borracha que envolve o fio. O tipo de capa é o que diferencia a qualidade do cabo e sua durabilidade. Cabos que não serão movimentados ou trocados de posição podem ter proteção externa simples em silicone, em plástico ou borracha. Já cabos que podem sofrer torções, arrastes e ação da abrasão devem ser de ligas mais duras e com duas capas de proteção. Cabos para uso em palcos ou em estúdios movimentados ou que serão muito manipulados, como é o caso dos que são utilizados em instrumentos musicais, para ligar microfones às medusas e aos amplificadores, devem possuir proteção extra de tecido (cabo têxtil). 

Cabos paralelo, coaxial simples e coaxial duplo

 

Os cabos mais utilizados em sonorização são o paralelo, o coaxial simples e o coaxial duplo (ou balanceado). O cabo paralelo possui dois ou mais condutores (isolados individualmente) lado a lado, sem nenhum tipo de blindagem, por isso deve ser empregado somente entre a saída de amplificadores e as caixas de som ou na conexão de aparelhos à rede de energia elétrica. Ele pode ter isolação simples (cada condutor com seu isolante individual) ou isolação dupla (isolantes individuais mais um isolante externo). 

 

Fios paralelos com condutores de mesma cor são indicados apenas para interligação à rede elétrica. Entre caixas e amplificadores, é indicado o uso de fios paralelos de duas cores, facilitando a instalação da polaridade correta das ligações.

 

Outro tipo de fio paralelo é o PP, no qual os condutores têm, além dos seus isolantes individuais, um terceiro, que funciona como capa protetora, conferindo grande resistência mecânica.

O cabo coaxial é composto de dois condutores, um central e outro que o envolve. Ele tem este nome porque o condutor central e a malha de blindagem têm o mesmo eixo. Neste tipo de cabo, o condutor externo, que é ligado ao terra de um sinal, funciona isolando o condutor central de interferências. No cabo coaxial duplo ou balanceado, a malha envolve dois condutores centrais, um responsável por carregar o sinal positivo e outro por carregar uma cópia invertida deste. Qualquer interferência captada pelo cabo é retida na malha e vai para o aterramento, não afetando o sinal de áudio.

 Multicabo (snake)

 

Cabo múltiplo composto de vários condutores montados como se fossem um só. Facilita a passagem de muitos fios de uma só vez e por longas distâncias. Existem modelos com 4, 6, 8, 12, 16 e até 60 vias, sendo cada via um conjunto completo de condutores (positivo, negativo e terra). É utilizado para a montagem de medusas, tipo de extensão utilizada para levar sinais de um ponto a outro.

 

Multicabos e medusas são usados para a conexão de microfones e de instrumentos à mesa de som e para a interligação de equipamentos, como mesa e amplificador, que estejam distantes entre si. Funcionam basicamente como uma grande emenda.

Técnicas de áudio

2017 - 2020 © Ricardo Pizzotti